quarta-feira, 5 de fevereiro de 2014

CRÔNICAS RESTRITAS - texto da Calu - garimpado na Blogosfera











Num elevador; cena 1:

Carregando um chapéu panamá (confeccionado no Equador) entra atrás dum sorriso, dentro do costume típico em cima do sapato bicolor, o passista do samba. Tipo brejeiro, entre trejeitos reconhecidos puxa conversa, gargalha e areja o ar da pequenina boite-móvel.Todos descem mais leves.



cena 2:

Gesticulando muito e em mesma altura de timbre, entra no elevador um híbrido de celular-humano que trava acalorada discussão com a extensão de ouvido.Ignora os circundantes e não ameniza os impropérios, deixando um pesado constrangimento no ar viciado.Chega o destino.Abre-se a porta da caixa-móvel e ao dar o impulso escapa-lhe das mãos a chave do carro que desliza perfeitamente entre o vão da porta e o poço.Olha desolado pro precipício de alumínio enquanto todos lhe ultrapassam... 




cena 3:

Pequenote buliçoso tenta se desvencilhar da mão materna que o traz bem presa.Reclama do calor, pergunta porque esperam, enfia o nariz na bolsa da mãe à procura de algo, bate o pézinho impaciente, sorri e faz beicinho, tudo junto no incômodo que lhe toma.Assim que as portas se abrem, se lança elevador adentro olhando à volta e declara:
___ Isso é um quartinho que sobe e desce, né mãe? 

3 comentários:

  1. Também gostei muito desse texto da Calu e seu olhar ( e ouvidos) atentos...bjs às duas,chica

    ResponderExcluir
  2. Jan,
    vou ficar mal acostumada com toda tua gentileza.Participar desta página original é um presente especial, viu?
    Bjos e uma boa noite aí.
    Calu

    ResponderExcluir
  3. Jan,
    Os textos da Calu são uma maravilha de se ler. Obrigada por trazê-los para cá. BJss, Marli.

    ResponderExcluir


Gostou ?????