domingo, 2 de junho de 2013

ONIPRESENÇA - prosa de Christian V. Louis

  
        Comidas e bebidas variadas passavam quase a todo o momento de um extremo ao outro. A moça sorridente oferecia com uma forçada simpatia que, por vezes, era preferível fingir estar adormecido a ficar recusando frequentemente.
            Poltronas escuras e reclináveis eram compartilhadas por outras pessoas ali. Algumas adormecidas (ou também dissimuladas), outras compenetradas em uma leitura e, inexplicavelmente, umas ainda fóbicas, como uma senhora de idade que não parava de entrelaçar os dedos trêmulos e, certamente suando frio, das mãos apoiadas em seus joelhos.
            Pela janela, podia ver apenas as luzes das cidades por onde passava no meio da escuridão da noite e, ao amanhecer, percebia-se que estava literalmente entre as nuvens.
            Se estivesse de ônibus, poderia ver muito mais detalhes, pensou. Todos os tipos de rua, pessoa e o céu onde estava. É certo que dali dava para ter uma visão mais ampla de determinadas paisagens naturais, porém, muito mais distante e não sabia ao certo se isso seria ou não uma desvantagem. O único que sabia era que não trocava a praticidade, rapidez e comodidade de uma viagem como aquela por nada.
             De repente, surgiu um pensamento estúpido. Não eram raras as vezes que filosofava estupidamente sobre temas aparentemente estúpidos. Foi um pensamento, um filosofar primitivo dos meios de transporte. Pensou como se fosse algo semelhante a se teletransportar, como personagem dos jogos online. Dentro de um lugar, acabava por estar ao mesmo tempo em diversos lugares.
         Riu de si mesmo e fechou os olhos, entregando-se à inicial escuridão da visão para dar lugar à audição, imergindo-se na música que tocava em um volume considerável em seus fones de ouvido.
  A música. Esta tinha realmente o poder de teletransportar qualquer pessoa a qualquer lugar. Era o verdadeiro poder da onipresença.

Christian V. Louis

8 comentários:

  1. Lindo como tudo que Christian escreve! abração aos dois,chica

    ResponderExcluir
  2. A música, como os livros, nos transportam para tantos lugares!
    Adoro música e adorei a crônica do Christian.

    ResponderExcluir
  3. A música, este portal mágico que nos transporta e multiplica do físico para o etéreo e deste para eterno__ onipresentemente.

    Bravo parceiro, tua escrita é presente em todos os sentidos.
    Bjos aos dois.
    Calu

    ResponderExcluir
  4. Otimo escrito do autor Christian.
    Um abraço carinhoso

    Paty Alves
    Ágape Amor Verdadeiro
    Patyiva
    Vou Conseguir

    ResponderExcluir
  5. Olá Jan.
    Gostei muito da prosa. O Christian descreveu bem sobre o que acontece em um voo, perfeito. O amanhecer é sempre lindo visto lá de cima. A musica alivia a tensão da espera e ainda viajamos mais alem. Me imaginei neste voo. Parabéns ao Christian e a você Jan por este lindo espaço. Beijos.

    ResponderExcluir
  6. O que me transporta de um lugar a outro é a leitura, música não tem esse efeito todo sobre mim.

    Lindo texto Christian!

    ResponderExcluir
  7. Me lembrei do seriado "Jornada nas estrelas" e com que facilidade se teletransportavam...rss...eu adorava!Mas seu texto traz um tipo de teletransporte que fazemos todos os dias,ao ouvir uma música,assistir um filme,ler um texto como esse seu....gostei muito!bjs,

    ResponderExcluir
  8. Que legal o texto Jan!
    Um ótimo fim de semana pra vc
    Bjus

    http://blogluminoso.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir


Gostou ?????