domingo, 17 de fevereiro de 2013

COMO PASSARINHO... (texto em prosa - Calu)




Quanto mais o tempo passa e idade nós ganhamos, vão se esgotando as possibilidades de presentes originais.Ao se aproximar a data de aniversário, começam a chover telefonemas dos filhos, amigas, aflitos com o que queremos ganhar.E nós( mulheres maduras) os tranquilizamos com a célebre frase:__ o amor de vcs é o maior presente!

Mas isso não os sossega. Haja vista o que aconteceu no aniversário de 65 anos da sogra de meu filho, mês passado.Ela ganhou um vôo de asa delta da filha mais velha.Bem, para os dias de hoje, o que faria desmaiar uma senhorinha de 60 anos atrás com tal sugestão, não promove nenhum abalo, numa sessentona sacudida, alegre e destemida como a Leda.

Chegando o dia D, lá foram ela e o filho(irmão da presenteadora) para a rampa do parque da cidade que fica no alto do morro da Viração, um lugar lindo em meio a muita vegetação e uma vista privilegiada de toda a baía da Guanabara.

Leda seria a terceira pessoas a saltar naquela manhã.O pessoal do esporte comandava os preparativos, dava aquelas pílulas instrucionais aos candidatos como se fossem a aula- magna dos conhecimentos de vôo na traquitana voadora e suficiente explicação para tal audácia comemorativa.Mas, Leda , nem se abalava,queria inclusive uma foto na hora da decolagem para figurar num quadro em destaque na sala de casa.

Lá se foi o primeiro afoito.Corre, corre, corre pela rampa e se joga junto com o piloto no vazio abaixo.Segundos depois, surgem os dois planando.Próximo!Corre-corre-corre e saltam os seguintes.Segundos, minutos... e um barulhão. Agora corre todo mundo e vêem-se os dois, piloto e passageiro enganchados nas árvores metros abaixo.Desce a equipe de socorro.Depois do susto e alguns arranhões, os dois retornam acompanhados da equipe.Os demais instrutores acalmando todo mundo, dizem:__ È normal, tá tudo bem.Foi só um mau cálculo das correntes de vento.

Apavorado, o filho interpela a mãe:__ Vc não vai mais saltar.Vamos pra casa!
___ De jeito nenhum, vim até aqui pra usar meu presente e vou, disse ela.O azar foi com o cara da frente.Ele já caiu, então eu estou garantida.Vou voar!

Desafiando o bom senso e o "imponderável de Almeida", Leda foi firme na sua teoria de que um raio não cai duas vezes no mesmo lugar, apesar dos apelos do filho ,das ligações dos outros, ela não se intimidou e correu pra imensidão de céu e mar com audácia e euforia pela experiência de voar em corpo e alma por sobre a baía.
Agora figura na parede da sala a foto gloriosa da vovó Leda voando de asa Delta.

3 comentários:

  1. Jan, conheci a Calu a tão pouco tempo e me encantei com os textos dela, com sua maneira de escrever.
    Mais inusitado que o presente, para mim foi a coragem da presenteada!
    Meus parabéns às três: a aniversariante, a Calu e Jan.
    E não deve ficar de fora a originalidade da filha mais velha que presenteou a mãe.
    E o que será que pensariam quando nos perguntarem: o que quer de aniversário? Um salto de asa delta. ( Bem deixo para os corajosos; eu não posso aceitar! )

    ResponderExcluir
  2. Que presente bom poder voltar a conversar através deste texto, Jan.Obrigada à vc e a Ana pelas palavras incentivadoras.Valeu, meninas.
    Bjos,
    Calu

    ResponderExcluir
  3. Brigadão, Jan.
    Boa semana.
    Bjos,
    Calu

    ResponderExcluir


Gostou ?????